SCS é Solo Preto e Indígena!

Há mais do que uma insistência dos negros em permanecer em São Caetano do Sul. Há uma missão histórica e é preciso participar desta luta! Por Rondinely Lima.

16 nov 2021, 12:42 Tempo de leitura: 5 minutos, 21 segundos
SCS é Solo Preto e Indígena!

Quem conhece São Caetano do Sul sabe da história oficial do município: Em 1877, imigrantes italianos fundaram a cidade. O que pouca gente sabe, porém, é que muito antes da chegada dos europeus a este território já haviam pessoas habitando estas terras. Mais precisamente havia por aqui um empreendimento denominado Fazenda São Caetano, de posse da Ordem de São Bento da Igreja Católica, onde pessoas pretas e indígenas eram escravizadas. Sim, caro leitor, já houve escravidão em São Caetano do Sul.

Outro fato, importantíssimo, que é esquecido pelas comemorações oficiais do município é o fato de que em 29 de setembro de 1871 todos os escravizados sob a tutela da Ordem de São Bento foram libertos. Ou seja, os escravizados de São Caetano puderam desfrutar da liberdade dezessete anos antes da promulgação da Lei Áurea em 1888. Tais dados históricos podem ser encontrados no livreto “A Escravidão em São Caetano (1598-1871)”, escrito pelo Professor Emérito da USP José de Souza Martins.

Agora um exercício simples de imaginação: Se os italianos chegaram à São Caetano do Sul em 1877 e neste período já haviam pretos livres nestas terras desde 1871, em um período onde a escravidão ainda era regra no Brasil, é de se supor que São Caetano funcionou como uma espécie de porto seguro para os pretos da região, uma espécie de quilombo durante, no mínimo, seis anos!

Infelizmente há muitos poucos registros sobre tal período, inclusive motivada pela narrativa hegemônica que perdura até os dias atuais sobre a suposta imigração heroica da colônia italiana em São Caetano do Sul. Se tem dúvida disso, é só olhar quantos nomes de rua, praças e estátuas homenageiam europeus e quantos homenageiam figuras afrodescendentes e indígenas na cidade. Não há nem mesmo uma sinalização pública no local onde havia um antigo cemitério com restos mortais dos antigos escravizados da Fazenda São Caetano. Sabe a tradicional Festa Italiana? Ela ocorre nas proximidades deste local.

Dando um salto para os dias atuais, segundo o IBGE de 2010, 85% da população de São Caetano do Sul se declarou de etnia branca. Os pretos e pretas de São Caetano, que estavam aqui antes dos italianos, simplesmente deixaram este território ou foram para as bordas da cidade. Afinal, o local com mais negros da cidade é o bairro Nova Gerty, junção das antigas Vila Gerty e Vila Nova. Curioso pensar que este bairro faz divisa com um outro bairro emblemático de Santo André: a Vila Palmares. Para quem não sabe, a cartografia que delimitou a cidade de São Caetano do Sul deixou a vila, que leva o nome do quilombo mais famoso do Brasil, de fora. A Vila Nova quase ficou de fora também, porém houve articulação entre os seus habitantes para a fusão com a Vila Gerty e assim garantir a permanência em São Caetano. A Vila Palmares, mesmo sendo de Santo André, tem muito da história de São Caetano do Sul em suas memórias. 

É de se refletir que se na origem da cidade temos um apagamento da história das pessoas pretas que habitaram o território junto aos indígenas, nos dias atuais a comunidade negra de São Caetano do Sul tem se organizado de diversas formas, mesmo sendo minoria numérica. 

Podemos citar aqui alguns momentos após os anos 1960, por exemplo. Neste período, foi fundado o clube social negro Luiz Gama, que muito fortaleceu a cultura preta de São Caetano do Sul ao organizar bailes black, desfiles de enaltecimento à beleza negra, rodas de capoeira e discussões políticas. Este clube atualmente tem o formato de um time de futebol amador na cidade. O clube Luiz Gama já teve sede social e já teve seu próprio campo. Hoje, nada mais possui, apesar da rica história.

Nos anos 2000, surge outro clube social negro: a Associação Cruz e Souza. Este sim ainda com uma sede social ali na passagem da Estação para o bairro Fundação. A resistência acontece de diversas formas, apesar das tentativas constantes de apagamento.

É importante mencionar também a intensa mobilização para a criação do Conescs – Conselho Municipal da Comunidade Negra de São Caetano do Sul, nos anos 90, órgão fiscalizador e propositor de políticas públicas para a população preta da cidade. Passada algumas mudanças regimentais, o Conescs pode ser a chave para o resgate da memória negra em São Caetano do Sul.

Para encerrar este texto, convoco a reflexão sobre a origem de um território preto em São Caetano do Sul e a luta da comunidade negra atual em permanecer na cidade. Seja em forma de clubes sociais, escolas de samba, grupos de capoeira, entidades religiosas. É preciso reconhecer a memória do passado e a luta atual dos pretos e pretas de São Caetano do Sul. É preciso dar voz, é preciso reconhecer a sua importância. 

Há mais do que uma insistência dos negros em permanecer em São Caetano do Sul. Há uma missão histórica e é preciso participar desta luta!

Nenhum passo para trás.

Por isso, nos apoie assinando pela aprovação do PL SCS é Solo Preto e Indígena que coloca no calendário oficial da cidade o dia 29 de Setembro como o dia da Abolição da Escravatura em São Caetano do Sul.

REFERÊNCIAS:

MARTINS, José de Souza. A Escravidão em São Caetano (1598 – 1871). São Caetano do Sul: Associação Cultural, Recreativa e Esportiva Luiz Gama/Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Caetano do Sul/CEDI, 1988.

JUNIOR, Luiz Gonzaga Piratiniga. Dietário dos Escravos de São Bento: originários de São Caetano e São Bernardo. São Paulo: HUCITEC; São Caetano do Sul: Prefeitura, 1991.

Aquém da Fundação: Outras Matizes em São Caetano do Sul. Documentário. Disponível: <https://www.youtube.com/watch?v=zVvx4w2I-tc>